ASDERBA/SINDICATO LAMENTA A MORTE DE MARIELLE FRANCO E EXIGE APURAÇÃO RIGOROSA DO CRIME QUE CHOCOU O PAÍS

 

Segundo a nota da Asderba, Marielle representou a luta da mulher negra, favelada e independente.

Chocada, como todo o Brasil, pelo brutal assassinato da vereadora Marielle Franco, do PSOL do Rio de Janeiro, e do motorista Anderson Pedro Gomes, a Asderba/Sindicato emitiu uma nota de pesar em que repudia o bárbaro crime e exige sua apuração rigorosa. Segundo a nota, o crime que chocou o Brasil e o mundo civilizado, representa a negação do Estado Democrático de Direito e das garantias individuais, previstos na Constituição.

Conforme o documento, o Brasil não pode mais conviver com a barbárie, a intolerância e o desrespeito ao livre exercício do pensamento e da ação política que marcaram a atuação-cidadã da vereadora Marielle Franco. “Representante legítima da mulher negra, favelada e independente, Marielle se fez porta-voz das minorais étnicas, sociais e também de gênero. Sua luta, sua coragem, seu exemplo e sua determinação hão de frutificar na mente e  no coração do povo brasileiro, que não se curva às injustiças e nem se dobra ao regime de medo e covardia imposto por aqueles que não respeitem a liberdade e os direitos humanos”, diz a nota da Asderba/Sindicato, assinado pelo presidente da entidade, Nilton Borges Ramos.  Para a Asderba/Sindicato, “pela sua luta, Marielle Franco estará sempre presente na memória do nosso povo, que saberá honrar e disseminar o seu rico legado”.

 

Facebook Comments

Comentários no Facebook