“RESISTÊNCIA DERBIANA” FOI ELEITA  COM QUASE UNANIMIDADE DOS VOTOS.

– Chapa recebeu 462 dos 465 votos válidos, em eleição sem concorrentes. Encabeçada pelo diretor geral da Associação dos Servidores do Derba e SIT (Sasderba), Nilton Borges Ramos, a chapa “Resistência Derbiana”, Leia mais »

CONSELHOS ADMINISTRATIVOS E FISCAIS DA SASDERBA FORAM REELEITOS, POR MAIS TRÊS ANOS, NESTA QUINTA-FEIRA

  – Diretor geral promete instituição forte e superavitária, com clínica mais aparelhada.  Reeleito para um mandato de mais três (2018-2020), o diretor geral da Associação dos  Servidores do Derba e SIT Leia mais »

NESTA QUINTA-FEIRA, SASDERBA REALIZADA ELEIÇÃO PARA OS CONSELHOS ADMINISTARTIVO E FISCAL

  A Associação Assistencial dos Servidores do Derba e da SIT (Sasderba) realiza nesta quinta-feira (dia 16) eleição para os Conselhos de Administração e Fiscal da instituição para o triênio 2018-2020. O Leia mais »

COMISSÃO DE TRANSPORTES DA CÂMARA DE SALVADOR VAI DISCUTIR A EXTINÇÃO DO ANTIGO DERBA

– Debate será feito em audiência pública, ainda sem data definida A Comissão de Transportes da Câmara Municipal de Salvador vai realizar – em data a ser definida – uma audiência pública Leia mais »

 

Artigo

A QUEM INTERESSA O FIM DO DERBA?

Depois de 97 anos e oito meses de existência e de relevantes serviços prestados aos municípios baianos, na abertura de estradas, expansão da malha rodoviária estadual e integração econômica das diversas regiões do Estado, o Departamento de Infraestrutura de Transportes da Bahia, antigo Departamento de Estradas e Rodagens (Derba), foi extinto, em 28 de fevereiro passado, no bojo da reforma administrativa do governador Rui Costa. Foi, na verdade, uma morte anunciada, já que, em quase três décadas, o órgão – referência na manutenção e na conservação dos quase 20 mil km da malha rodoviária da Bahia –  veio sendo progressivamente esvaziado, com a redução de suas atividades, a falta de investimentos em equipamentos e máquinas e de contratação de pessoal e a quase completa indiferença das administrações estaduais que nada fizeram para conter seu processo de esfacelamento

Nos tempos áureos, até meados dos anos 70 do século passado, o Derba chegou a ter 7 mil funcionários. Depois foi sendo esvaziado aos poucos. Os velhos servidores, pioneiros na construção de estradas, foram  se aposentando, sem a devida reposição de pessoal. Ao ser extinto, há dois meses, o órgão contava apenas 746 servidores, muitos dos quais decidiram se aposentar.

Para o lugar do Derba, que era uma autarquia e, portanto, tinha autonomia própria, foi criada a Superintendência de Infraestrutura de Transportes da Bahia (SIT), vinculada à Secretaria de Infraestrutura (Seinfra). O objetivo oficial da medida é “centralizar as atividades do órgão na Administração Direta com a finalidade de executar os programas relativos à subfunção transporte, de competência do Estado, bem como a construção e administração de terminais rodoviários, hidroviários e aeroviários”.  Foi uma decisão deplorável, temerária e açodada, como se pode depreender do péssimo estado em que se encontra boa parte da malha rodoviária sob a responsabilidade do Governo da Bahia. Quadro que deverá se agravar com o longo período de chuvas que se avizinha.

Com a extinção, cabe a pergunta: a quem interessa o fim do Derba? Talvez, sobretudo, às empreiteiras, generosas minas de ouro nas doações das campanhas eleitorais. Em mãos das empreiteiras, grandes, médias ou pequenas, o preço por metro de estrada construída ou recuperada deverá aumentar, pois essas empresas vão cobrar o que quiserem. Além disso, haverá o aumento dos pontos de cobrança de pedágio nas rodovias estaduais de maior tráfego de veículos, a demora e a má qualidade nos serviços de manutenção e conservação das estradas, já que as grandes empreiteiras não vão se interessar por pequenas obras, como as estradas vicinais tão

Além do mais, sem a presença das 20 Residências de Manutenção e Conservação espalhadas por todas as regiões do Estado, a Seinfra não terá como fiscalizar o andamento das obras para garantir o cumprimento do padrão Derba de qualidade, o mesmo do antigo DNER. Devemos esperar ainda  o aumento do chamado “Custo Brasil”, já que 75% das mercadorias do país são transportadas pelas rodovias. A extinção do Derba segue na contramão do bom-senso dos demais Estados da Federação que mantiverem seus órgãos congêneres. Em Goiás,por exemplo, o governador Marcondes Perillo acabou o departamento estadual, mas manteve toda sua estrutura. São Paulo tentou extinguir, mas voltou atrás.

Por que a Bahia não pode fazer o mesmo?  Ao invés de extinto, o Derba deveria ter sido fortalecido e reestruturado ao longo das últimas três décadas, porque detém a expertise na construção, manutenção e conservação de estradas, tem seus próprios equipamentos, usinas de asfalto e funcionários que, no curso de sua história, suaram a camisa pela integração regional da Bahia, acreditando no preceito do último presidente da República Cabe, agora, a  todos os derbianos – essa grande família que cresceu com cheiro de terra e asfalto – lutar pelo atendimento de nossa pauta de reivindicações. São elas:

  1. Permanência de todos os servidores do Derba na SIT.
  2. Cumprimento das decisões judiciais já transitadas e julgadas, com implantação em folha de pagamento, e pagamento das diferenças salariais e precatórios (horas extras, insalubridade e periculosidade, URP e equiparação salarial dos NUS aos Procuradores).
  3. Manutenção das gratificações existentes (GET, CET, GPC etc.).
  4. Complementação do pagamento da parcela do CET, no percentual de 10% negociado.

5 – Implantação de um programa de incentivo à aposentadoria premiada.

  1. Participação do Sindicato no processo de regulamentação da SIT.
  2. Disponibilidade de uma pequena área no local onde, hoje, funcionam as Residências de Manutenção e a sede do Derba, para que a Sasderba continue desenvolvendo atendimento ambulatorial aos seus associados e da SIT.
  3. Reajuste salarial para todos os servidores ativos e inativos, obedecendo a data base.

Companheiros, vamos à luta.

O DERBA VIVE!

Milton Borges Ramos, presidente da Associação Sindical dos Servidores do Derba – Asderba/Sindicato.